DINÂMICAS DA FUNÇÃO MATERNA E DO MERCADO: OUTRAS MATERNIDADES SÃO POSSÍVEIS?

Autores

  • Maria Aline Sabino Nascimento Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Museu Nacional - UFRJ (PPGAS/MN/UFRJ)

Resumo

Este ensaio propõe uma reflexão acerca das tramas de afeto e cuidado instituídas a partir de uma maternidade assentada em um mito de pureza, sacralização, abnegação, sacrifício e amor incondicional das mães em relação aos seus filhos. Lançando mão de estudos que abordam esse assunto sob uma perspectiva feminista, antropológica, psicológica e do direito, minha intenção é discutir como essas tramas possuem dinâmicas que desnutrem mulheres, e em certa medida até mesmo homens, e nutrem todo um sistema econômico. Para tanto, busquei compreender como tais dinâmicas apresentam-se na multiplicidade existente nas esferas do público e do doméstico, bem como quais as tensões geradas entre mercado, trabalho e afeto na esteira do cuidado. Não trato, no entanto, a maternidade como algo homogêneo, tampouco a domesticidade, no que tange aos sentidos políticos e afetuosos atribuídos à casa. Preocupei-me neste texto em compreender essas dinâmicas sob a perspectiva do cruzamento que há entre gênero, raça e classe, a fim de uma reflexão que considere as diferenças na construção desses corpos, afetos e tensões gerados a partir do estabelecimento do mito da maternidade e como esta encontra-se implicada na temática do cuidado. O trabalho do serviço e cuidado associado às mulheres, também nos fala, entre muitas coisas, sobre nossa própria relação com a natureza apartada do status de humanidade. Tal afirmação nos lança a debates sobre a concepção das categorias de cuidado, maternidade, gênero e noção de pessoa em outras sociedades. Portanto, questiona-se neste trabalho a maternidade em seus moldes ocidentais e se busca compreender se outras maternidades são possíveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BLANC, Nathalie; LAUGIER, Sandra; MOLINIER, Pascale. O preço do invisível: As mulheres na pandemia. DILEMAS: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social – Rio de Janeiro – Reflexões na Pandemia 2020 – pp. 1-13
DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo, Boitempo, 2016.
FARIAS, Juliana. Governo das Mortes: uma etnografia da gestão de populações de favelas no Rio de Janeiro. Tese de doutorado defendida no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia – IFCS / UFRJ, 2014.
FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa. Mulheres, corpo, e acumulação primitiva. Editora Elefante. Tradução Coletivo Sycorax, 2017
FERNANDES, Camila. Mães “abandonantes”. O amor nas fraturas da desigualdade. In: Figuras da causação: sexualidade feminina, reprodução e acusações no discurso popular e nas políticas de Estado / Camila Fernandes. -- Rio de Janeiro, 2017. 246 f.
hooks, bell. Constituir um lar. Espaço de resistência. In: Anseios. Raça, Gênero e Políticas culturais. Editora Elefante. 2019
JUNG, C.G. The Integration Of The Personality. New York, Farrar Rinehart, 1940.
MAUSS, Marcel. Uma categoria do espírito humano: a noção de pessoa, a de “eu”. In: MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003. p. 367-397
OKIN, Susan. Gênero, o público e o privado. Estudos feministas, 2008.
OLIVEIRA, Jainara Gomes de. Racionalidade neoliberal e a “nova saúde pública”: Sujeitos, estado e políticas públicas no campo das práticas sexuais entre mulheres. Sociabilidades Urbanas – Revista de Antropologia e Sociologia, v4, n11, p. 51-58, julho de 2020. ISSN 2526-4702.
ORTNER, Sherry. Está a mulher para o homem assim como a natureza para a cultura? In: A mulher, a cultura e a sociedade. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1979.
OYEWÙMÍ, Oyèrónkẹ. A invenção das mulheres: construindo um sentido africano para os discursos ocidentais de gênero. Trad. Wanderson Flor do Nascimento. – 1.ed. – Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2021.
PISCITELLI, Tathiane dos Santos. Argumentando pelas consequências no direito tributário. São Paulo: Noeses, 2011
PISCITELLI, Tathiane dos Santos; Et al. Reforma tributária e desigualdade de gênero. São Paulo, 2020. Disponível em: https://direitosp.fgv.br/sites/direitosp.fgv.br/files/arquivos/reforma_e_genero_-_final_1.pdf
RODRIGUES, Cátia Cilene Lima. Lilith e o arquétipo do feminno contemporâneo. 2012. Disponível em: http://docplayer.com.br/14684109-Lilith-e-o-arquetipo-do-feminino-contemporaneo.html
SACCHET, Teresa. Capital, gênero e representação política no Brasil. In: Opinião Pública, 15 (2), nov 2009. https://doi.org/10.1590/S0104-62762009000200002
SORJ, Bila. Arenas de cuidado nas interseções entre gênero e classe social no Brasil. Cadernos de Pesquisa. Vol. 43. No 149. São Paulo Maio/Agosto. 2013
STRATHERN, Marilyn. 1990. The gender of the gift: problems with women and problems with society in Melanesia. No. 6. Univ of California Press. [O gênero da dádiva: problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Editora da UNICAMP, 2006]
STRATHERN, Marylin. O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2014.
THOMAS, Keith. O homem e o mundo natural: mudanças de atitude em relação às plantas e aos animais (1500-1800). São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

TRONTO, Joan. “Mulheres e cuidados: o que as feministas podem aprender sobre a moralidade a partir disso?”. In: JAGGAR, Alison M. e BORDO, Susan R. (orgs.) Gênero, Corpo, Conhecimento. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Tempos, 1997.
VASCONCELOS, Vania Maria Ferreira de. Maternidades: o mito do amor e a história controversa. In: “No colo das iabás: raça e gênero em escritoras afro-brasileiras contemporâneas”. Tese (Doutorado em Literatura) - Universidade de Brasília, Brasília. 2014
XAVIER, Aline. ZANELLO, Valesca. Ouvindo o inaudito: mal-estar da maternidade em mães ofensoras atendidas em um CREAS. In: Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, v. 52, 2018, e57051 ISSN 2178-4582. http://dx.doi.org/10.5007/2178-4582.2018.57051

Downloads

Publicado

2022-12-27

Como Citar

Sabino Nascimento, M. A. (2022). DINÂMICAS DA FUNÇÃO MATERNA E DO MERCADO: OUTRAS MATERNIDADES SÃO POSSÍVEIS?. Revista Homem, Espaço E Tempo, 15(2), 42–62. Recuperado de //rhet.uvanet.br/index.php/rhet/article/view/511