RESÍDUOS DE TRADIÇÃO E MODERNIDADE NAS QUADRILHAS JUNINAS: UM OLHAR SOBRE A BEIJA-FLOR DO SERTÃO, COREAÚ-CE

  • Milena Policarpo Carvalho Professora da Educação Básica na E.M.E.I.F. Nossa Senhora da Piedade, Coreaú-CE.
  • Carlos Augusto Pereira dos Santos Professor do curso de História, Centro de Ciências Humanas – CCH, da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA).

Resumo

A História Cultural trouxe como contribuição o alargamento do campo de investigação do historiador, através de novos objetos de estudos, novos temas, novas fontes e novos métodos. Além disso, a abertura ao diálogo interdisciplinar se mostrou fundamental para a melhor compreensão destas novas temáticas, por meio do uso de arcabouços teóricos de outras áreas, como mostraremos através do uso da Teoria da Residualidade, sistematizada por Roberto Pontes (2013), para a compreensão dos entrecruzamentos culturais e permanência em uma determinada manifestação cultural de elementos provenientes de outras culturas e mesmo de outro período histórico. É o caso das quadrilhas, que chegaram ao Brasil no século XIX, trazidas da Europa e aqui encontraram terreno fértil de permanência, se adaptando à realidade cultural de nosso país, adquirindo desta forma características próprias e passando também a ser um elemento importante da cultura dita “popular”. Este estudo mostra a força destas manifestações de resistirem ao longo tempo, conservando então alguns elementos e mudando outros, como ilustrará a análise feita a partir do grupo quadrilheiro Beija-flor do Sertão, de Coreaú-CE.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Milena Policarpo Carvalho, Professora da Educação Básica na E.M.E.I.F. Nossa Senhora da Piedade, Coreaú-CE.
Professora da Educação Básica na E.M.E.I.F. Nossa Senhora da Piedade, Coreaú-CE.
Carlos Augusto Pereira dos Santos, Professor do curso de História, Centro de Ciências Humanas – CCH, da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA).
Professor do curso de História, Centro de Ciências Humanas – CCH, da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA).

Referências

CHIANCA, Luciana de Oliveira. Quando o campo está na cidade: migração, identidade e festa. Sociedade e Cultura, v.10, n.1, p.45-59, 2007.

DUBY, Georges. Idade Média, Idade dos Homens: do amor e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

MENEZES NETO, Hugo. O Balancê no Arraial da Capital: quadrilha e tradição no São João do Recife. 2008. 155 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & literatura: uma velha-nova história. Novo Mundo Mundos Nuevos [Online]. Disponível em: <https://journals.openedition.org/nuevomundo/1560>. Acesso em 4 de ago. 2021.

SANTOS, Luís Átila. Quadrilha Junina e Políticas Culturais: aspectos Históricos e Simbólicos para a manutenção de uma manifestação cultural brasileira. 2017. 46 f. TCC (Graduação em Produção e Política Cultural) - Universidade Federal do Pampa, Jaguarão, 2017.

SOARES, Jéssica Thais Loiola; PONTES, Roberto. A Teoria da Residualidade como abordagem literária: uma breve análise de Marília de Dirceu. Revista Entrelaces, ano III, n.1, p. 47-54, 2013.

Sobre a dança do Leruá. Blog Coreaú Siará. Disponível em: <http://coreausiara.blogspot.com/2011/08/o-lerua.html>. Acesso em 4 de ago. 2021

SPINA, Segismundo. A Cultura literária medieval: uma introdução. 2ª ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 1997.

ZAMITH, Rosa Maria Barbosa. A dança da quadrilha na cidade do Rio de Janeiro sua importância na sociedade oitocentista. Textos Escolhidos de Cultura e Arte Populares, v. 4, n. 1, p. 113-132, 2007.

Publicado
2021-08-13
Como Citar
Milena Policarpo Carvalho, & Carlos Augusto Pereira dos Santos. (2021). RESÍDUOS DE TRADIÇÃO E MODERNIDADE NAS QUADRILHAS JUNINAS: UM OLHAR SOBRE A BEIJA-FLOR DO SERTÃO, COREAÚ-CE. Revista Homem, Espaço E Tempo, 15(1), 131-149. Recuperado de //rhet.uvanet.br/index.php/rhet/article/view/504