A CARTOGRAFIA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA PARA A DISCUSSÃO DA TEMÁTICA AMBIENTAL NA SOCIOLOGIA DO ENSINO MÉDIO

  • Francisco Dagmauro do Nascimento Mestre em Sociologia em Rede Nacional (Profsocio) pela Universidade Estadual Vale do Acaraú –Uva e professor da Educação Básica na Rede Pública Estadual de Ensino do Estado do Ceará.
  • Daniele Costa da Silva Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará –UFC e docente e pesquisadora do Curso de Ciências Sociais da Universidade Estadual Vale do Acaraú- UVA

Resumo

Este trabalho objetiva apresentar a cartografia social como instrumento metodológico para o estudo das questões ambientais nas aulas de Sociologia do Ensino Médio. Sabemos que a temática ambiental faz parte do repertório dos chamados temas transversais e diz respeito a todas as áreas do saber. Nesse sentido, esta temática não escapa à problematização sociológica. A nossa intenção foi usar em sala de aula uma estratégia de ensino-aprendizagem que possibilitasse aos educandos discutir o meio ambiente através de suas vivências cotidianas. Pudemos constatar que o uso deste procedimento pedagógico propiciou aos discentes expressarem suas percepções ambientais e discuti-las a partir do estranhamento sociológico. Foi possível aos estudantes exerceram o protagonismo na construção de um saber colaborativo. Essa experiência revelou-nos que o abandono do papel de orador para o de mediador e articulador entre as experiências vivenciadas pelos estudantes e as teorias sociais, torna o conhecimento sociológico mais compreensível e apropriável pelo alunado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Dagmauro do Nascimento, Mestre em Sociologia em Rede Nacional (Profsocio) pela Universidade Estadual Vale do Acaraú –Uva e professor da Educação Básica na Rede Pública Estadual de Ensino do Estado do Ceará.
Mestre em Sociologia em Rede Nacional (Profsocio) pela Universidade Estadual Vale do Acaraú –Uva e professor da Educação Básica na Rede Pública Estadual de Ensino do Estado do Ceará.
Daniele Costa da Silva , Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará –UFC e docente e pesquisadora do Curso de Ciências Sociais da Universidade Estadual Vale do Acaraú- UVA
Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará –UFC e docente e pesquisadora do Curso de Ciências Sociais da Universidade Estadual Vale do Acaraú- UVA. 

Referências

BARROS, L. P. de; KASTRUP, V. Cartografar é Acompanhar Processos. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Orgs). Pistas do Método da Cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015, p. 52-65.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Tradução de João Wanderley Geraldi. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, 2002, n° 19. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=s1413-24782002000100003&script=sci_arttext. Acesso em: 16 abr. 2020.

BRASIL. Portal da Transparência. Massapê/CE. Disponível em: http://www.portaltransparencia.gov.br/localidades/2308005-massape?ano=2019. Acesso em: 26 fev. 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf Acesso em: 06 out. 2020.

BRASIL. Orientações curriculares para o ensino médio: Ciências Humanas e suas tecnologias / Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC/SEMTEC, 2006.

BUOGO, Ana Lúcia; CHIAPINOTTO, Diego. Oficinas de leitura e produção de texto na educação a distância. Maio 2005. In: Congresso Internacional de Educação a Distância. Florianópolis: Abed, 2005. Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2005/por/pdf/179tcb3.pdf Acesso em: 10 abr. 2020.

CAPRA, Fritjof. A Teia da Vida: Uma Nova Compreensão Cientifica dos Sistemas Vivos. São Paulo: Cultrix, 1996.

CARVALHO, J. I. F. et al. A cartografia social como possibilidade para o ensino de geografia: a pesquisa colaborativa em ação. Revista de Geografia. Recife, v. 33, n. 2, 2016. p. 251-260

DELEUZE, G. ; GUATTARI, F. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. v.1. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora 34, 2017.

ESTEVAM, C. S.; GAIA, M.C. de M. Concepção Ambiental na Educação Básica: subsídios para estratégia de educação ambiental. Revbea, São Paulo, v.12, n.1, 2017.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.

GOMES, M. de F. V. B. Cartografia Social e Geografia Escolar: aproximações e possibilidades. Revista Brasileira de Educação em Geografia, Campinas, v.7, n.13, p. 97-110, p. 97-109, jan/jun. 2017.

GORAYEB, A. Cartografia Social e Populações Vulneráveis. Cartilha Cartografia Social. Fortaleza, CE: UFC, 2014. Disponível em: http://www.mobilizadores.org.br/wp-content/uploads/2014/07/Cartilha-Cartografia-Social.pdf. Acesso em: 05 jun. 2018.

HAGUETTE, T. M. F. Metodologias qualitativas na Sociologia. Petrópolis: Vozes, 2010.

INGOLD, Tim. O Dédalo e o Labirinto: caminhar, imaginar e educar a atenção. Horizontes Antropológicos, v. 21, n. 44, p. 21-36, 2015.

KASTRUP, V.; BARROS, R. B. Movimentos-Funções do Dispositivo na Prática da Cartografia. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (orgs). Pistas do Método da Cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015. p. 76-91

LASH, S. A Reflexividade e seus duplos: estrutura, estética e comunidade. In: GIDDENS, A; BECK, U.; LASH, S. Modernização Reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: Unesp, 1997. p. 135-206.

MAGNANI, J. G. C. Discurso e Representação ou de como os Baloma de Kiriwina podem reencarnar-se nas atuais pesquisas. In: CARDOSO, R. C. L. (Org.). Aventura antropológica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004. p. 127-140

MARTINS, José de Souza. Sociologia da Fotografia e da Imagem. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2017.

NATIVIDADE, M. R et. al. Desenho na pesquisa com crianças: análise na perspectiva histórico-cultural. Contextos clínicos, v. 1, n. 1, p. 9-18, 2008.

NUNES, Teresa. As diferenças entre aulas expositivas e aulas dialogadas. Disponível em: https://posgraduando.com/as-diferencas-entre-aulas-expositivas-e-aulas dialogadas/#:~:text=diferen%C3%A7as%20entre%20elas%3F,A%20aula%20expositiva%20dialogada,discutam%20o%20objeto%20de%20estudo. Acesso em 02 out. 2020.

PASSOS, E.; BARROS, R. V. A Cartografia como Método de Pesquisa-Intervenção. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (orgs). Pistas do Método da Cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015. p. 17-31.

PORTELLI, A. História oral como arte da escuta. São Paulo: Letras e Vozes, 2016.

RIBEIRO, A. C. T. et al. Por uma cartografia da ação: pequeno ensaio de método. In: ACSELRAD, Henri. Planejamento e território: ensaio sobre a desigualdade. Rio de Janeiro: Cadernos IPPUR. Ano XV, Nº 2, Ago-Dez, 2001 / Ano XVI, n.1, p. 33-52, Jan-Jul 2002.

SULAIMAN, S. N.; TRISTÃO, V. T. V. Percepção Ambiental e Sociologia Ambiental: interlocuções com a teoria da reflexividade. Pesquisa em Debate. V. 6, n. 2, p. 2-15, jul/dez. 2009.

TUAN, Yi- Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Ed. Difel, 1980.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

Publicado
2021-08-13
Como Citar
Dagmauro do Nascimento, F., & Daniele Costa da Silva. (2021). A CARTOGRAFIA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA PARA A DISCUSSÃO DA TEMÁTICA AMBIENTAL NA SOCIOLOGIA DO ENSINO MÉDIO. Revista Homem, Espaço E Tempo, 15(1), 63-82. Recuperado de //rhet.uvanet.br/index.php/rhet/article/view/489