DISPONIBILIDADE HÍDRICA NO ALTO/MÉDIO CURSO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ-RN

Autores

  • Anny Catarina Nobre de Souza Nobre Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
  • Sérgio Domiciano Gomes de Souza Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
  • Diógenys da Silva Henriques Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
  • Maria Losângela Martins de Sousa Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Palavras-chave:

Bacia Hidrográfica, Condições Geoambientais, Recursos Hídricos, Rio Apodi/Mossoró

Resumo

A água é um elemento vital para o planeta, desde o ciclo hidrológico até sua distribuição nos mananciais, repercute nas diversas formas de vida de maneira heterogênea. A realidade hídrica do semiárido do Nordeste brasileiro, dada suas condições geoambientais merece atenção, uma vez que esta porção sofre com a escassez hídrica e, ainda assim, se apresenta como a segunda região do país com maior população. Assim, o trabalho tem como objetivo analisar a disponibilidade de águas superficiais e subterrâneas no alto/médio curso da Bacia Hidrográfica do Rio Apodi/Mossoró (BHRAM), no estado do Rio Grande do Norte (RN). No tocante a metodologia adotada, a pesquisa se divide em gabinete e campo. Nas atividades de gabinete, foi realizada uma revisão de literatura sobre semiárido do Nordeste brasileiro e suas condições geoambientais, o fenômeno da seca e disponibilidade hídrica; levantamento geocartográfico referente a Geodiversidade, hidrogeologia e coleta de dados quanto às águas subterrâneas dos municípios que estão inseridos na bacia hidrográfica. Em campo, buscou-se o reconhecimento da verdade terrestre, preenchimento de fichas e o registro fotográfico. Nesse sentido, torna-se coerente ressaltar a importância das águas superficiais para a população sertaneja da área em estudo, considerando que este contingente atua pressionando este recurso, bem como das águas subterrâneas, ainda que estejam limitadas à condição hidrogeológica do ambiente, no que reflete uma segurança hídrica. Contudo, atenta-se para o gerenciamento integrado das águas superficiais e subterrâneas, bem como o devido conhecimento para aproveitamento das potencialidades hidrológicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AB’SABER, Aziz Nacib. Caatingas: o domínio dos sertões secos. In: Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades regionalistas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003, p. 83-101.

ANDRADE, Manuel Correia de. A terra e o homem no Nordeste: contribuição ao estudo da questão agrária no Nordeste. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BERTRAND, Georges. Paisagem e Geografia física global. Esboço metodológico. Raega - O Espaço Geográfico em Análise, [S.l.], v. 8, dez. 2004. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/raega/article/view/3389/2718>. Acesso em: abr. 2020. doi:http://dx.doi.org/10.5380/raega.v8i0.3389.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística (IBGE). Estado do Rio Grande do Norte Hidrogeologia. Rio de Janeiro: IBGE. Escala: 1:500.000, 2005. Disponível em: < https://www.ibge.gov.br/geociencias/informacoes-ambientais/geologia/15824-hidrogeologia.html?=&t=downloads>. Acesso em abr. 2020.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Projeto RADAMBRASIL. Folha SB.24/25 Jaguaribe/Natal. Rio de Janeiro, 1981. (Mapa de Potencial dos recursos hídricos).

CARVALHO, Osires; RODRIGUES, Flávio do. Recursos Hídricos e Desenvolvimento Sustentável (escala de necessidades humanas e manejo ambiental). In: GEOgraphya, Revista da Pós-Graduação da UFF. Niterói: RJ, 2004. p. 111-126. Disponível em: < https://periodicos.uff.br/geographia/article/view/13482>. Acesso em abr. 2020.

CIRILO, José Almir. Políticas públicas de recursos hídricos para o semi-árido. Estudos Avançados, 2008, vol. 22, n. 63, p. 61-82. Disponível: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000200005&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em: abr. 2020.

CPRM. Serviço Geológico do Brasil. Mapa Geodiversidade do Estado do Rio Grande do Norte, escala 1:500.000 [Internet], 2009. Disponível em: <http://www.cprm.gov.br/publique/media/geodiversidade_rio_grande_norte.pdf>. Acesso em: out. 2018.

CPRM. Serviço Geológico do Brasil. BELTRÃO, Breno Augusto et al. (Orgs.). Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea, estado do Rio Grande do Norte. Recife: CPRM, 2005. Disponível: < http://www.cprm.gov.br/publique/Hidrologia/Mapas-e-Publicacoes/Rio-Grande-do-Norte---Atlas-Digital-dos-Recursos-Hidricos-Subterraneos-3130.html>. Acesso em: abr. 2020.

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN). Abastecimento do RN 2018. Disponível em: <http://www.adcon.rn.gov.br/ACERVO/caern/DOC/DOC000000000176563.PDF>. Acesso em: jan. 2020.

GOVERNO DO RIO GRANDE DO NORTE. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN). Disponível em: <http://www.emparn.rn.gov.br/>. Acesso em: nov. 2019.

GOVERNO DO RIO GRANDE DO NORTE. Instituto de Gestão das Águas do Estado do Rio Grande do Norte (IGARN). Disponível em: <http://igarn.rn.gov.br/Index.asp>. Acesso em: jan. 2020.

GOVERNO RIO GRANDE DO NORTE. Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (IDEMA). Anuário estatístico 2017. Disponível em: <http://www.idema.rn.gov.br/Index.asp>. Acesso em: nov. 2019.

GOVERNO RIO GRANDE DO NORTE. Instituto de gestão das águas do Rio Grande do Norte (IGARN). (Bacia Apodi/Mossoró). Disponível em: <http://adcon.rn.gov.br/ACERVO/IGARN/doc/DOC000000000028892.PDF>. Acesso em: set. 2018.

MARQUES, Flávio Adriano et al. Solos do Nordeste. Embrapa: Recife, 2014.

MARENGO, Jose A.; CUNHA, Ana Paula; ALVES, Lincoln M. Seca de 2012-15 no semiárido do Nordeste do Brasil no contexto histórico. Revista Climanálise, v. 3, p. 49-54, 2016. Disponível em: <http://climanalise.cptec.inpe.br/~rclimanl/revista/>. Acesso em: abr. 2020.

PONTES, Emilio Tarlis Mendes. A convivência com o semiárido no contexto sulamericano: segurança hídrica em Afogados da ingazeira (Pernambuco, Brasil) e Graneros (Tucumán, Argentina). Tese (doutorado). Universidade Federal de Pernambuco, CFCH. Programa de Pós-Graduação em Geografia, 2014. Disponível em: < https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11103>. Acesso em: abr. 2020.

REBOUÇAS, Aldo da Cunha. In: Águas subterrâneas. REBOUÇAS, Aldo da Cunha; BRAGA, Benedito; TUNDISI, José Galizia. Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. 3 ed. São Paulo: Escrituras Editora, 2006, p. 111-143.

REBOUÇAS, Aldo da Cunha. Água na região Nordeste: desperdício e escassez. Estudos Avançados, 11(29), 1997, p. 127-154. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141997000100007>. Acesso em: abr. 2020.

RIBEIRO, Wagner Costa. Geografia política da água. São Paulo: Annablume, 2008. Disponível em: < https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=lang_pt&id=IPv-BCWLfygC&oi=fnd&pg=PA13&dq=ribeiro+%C3%A1guas&ots=NuGheqeg7B&sig=n4t5BG30zFeNYtrhjYajLoIeJTU#v=onepage&q=ribeiro%20%C3%A1guas&f=false>. Acesso em: jan. 2020.

RODRIGUES, Cleide; ADAMI, Samuel. Técnicas fundamentais para o estudo de bacias hidrográficas. In: VENTURINI, Luis Antonio Bittar. Praticando Geografia: Técnicas de Campo e Laboratório em Geografia e Análise Ambiental. São Paulo: Oficina de textos, 2009, p. 147-166.

SOTCHAVA, Viktor Borisovich. O estudo de Geossitemas. Métodos em Questão. Universidade de São Paulo – Instituto de Geografia: São Paulo, 1977.

SOUSA, Maria Losângela Martins de; OLIVEIRA, Vládia Pinto Vidal de. Política de combate à seca e estratégias de convivência com o semiárido: o contexto do estado do Ceará. In: SEABRA, Giovanni; MENDONÇA, Ivo (org.). Educação ambiental: Responsabilidade para a conservação da sociobiodiversidade. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2011, p. 709-715. Disponível em: <https://www.cnea.com.br/publicacoes-1>. Acesso em: abr. 2020.

SOUZA, Marcos José Nogueira de; OLIVEIRA, Vládia Pinto Vidal de. Semiárido do Nordeste do Brasil e o Fenômeno da Seca. In: HUBP, J. L; INBAR, M. Desastres Naturales em América Latina. México, 2002 p. 207- 221.

SOUZA, Marcos José Nogueira de; OLIVEIRA, José Gerardo B. de; LINS, Rachel Caldas; JATOBÁ, Lucivânio. Condições Geo-ambientais do semi-árido brasileiro. Ci. & Tróp., Recife, v. 20, n. 1, p. 173-198, jan./jun, 1992. Disponível em: <https://pt.scribd.com/document/358384756/Condicoes-Geoambientais-Do-Semiarido-Brasileiro>. Acesso em: abr. 2020.

VEADO, R. A. O Geossistema: Embasamento Teórico e Metodológico (Relatório de qualificação). UNESP: Rio Claro, 1995.

VIEIRA, Vicente P. P. B; GODIM FILHO, Joaquim G. C.; Água doce no semiárido. In: REBOUÇAS, Aldo da Cunha; BRAGA, Benedito; TUNDISI, José Galizia. Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. 3 ed. São Paulo: Escrituras Editora, 2006, p. 481-505.

TELLES, Dirceu D’Alkmin; GÓIS, Josué Souza de. Usos da água e suas características. In: TELLES, Dirceu D’Alkmin (Org.). Ciclo ambiental da água: da chuva à gestão. São Paulo: Edgard Blucher, 2013, p. 178-216.

TUNDISI, José Galizia; TUNDISI, Takako Matsumura. Planejamento e gestão dos recursos hídricos: novas abordagens e tecnologias. In: Recursos hídricos no século XXI. São Paulo: Oficina de Textos, 2011, p. 152-188.

Downloads

Publicado

2020-08-08

Como Citar

Nobre, A. C. N. de S., Domiciano Gomes de Souza, S. ., da Silva Henriques, D., & Martins de Sousa, M. L. . (2020). DISPONIBILIDADE HÍDRICA NO ALTO/MÉDIO CURSO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ-RN. Revista Homem, Espaço E Tempo, 14(1), 109–125. Recuperado de //rhet.uvanet.br/index.php/rhet/article/view/419