A AÇUDAGEM E SUAS IMPLICAÇÕES NA CONVIVÊNCIA COM O SEMIÁRIDO BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DO AÇUDE PÚBLICO ENCANTO, RN, BRASIL

Autores

Palavras-chave:

Secas; Política hidráulica; Reservatório hídrico; Bacia hidrográfica.

Resumo

O semiárido do Nordeste brasileiro é marcado por condições naturais que propicia o fenômeno das secas. Por essa razão, foi executado, durante muitas décadas, uma política de açudagem tendo como vetor o Estado, com a finalidade de “combater” os efeitos das secas. Nesse ensejo, este trabalho objetiva discutir acerca da política hidráulica de construção de açudes no semiárido brasileiro, considerando quais as repercussões do Açude Público Encanto, situado no Oeste Potiguar, no baluarte para a convivência com a semiaridez da região, a partir da identificação das funcionalidades do reservatório em questão para a população. Para tanto, foi realizado um levantamento bibliográfico acerca das temáticas da açudagem, convivência com o semiárido e segurança hídrica, trabalho de campo para averiguação dos usos estabelecidos nas margens do açude supracitado, com atenção as repercussões ambientais decorrentes destas e, outrossim, buscou-se informações relativas ao abastecimento hídrico e sobre produção agrícola às margens do reservatório junto a órgão estaduais. Observa-se que a açudagem, enquanto obra pública, repercutiu significativamente no semiárido brasileiro e, sobretudo, no Alto Apodi, sendo o açude Encanto exemplo singular dos desdobramentos dessa política. Portanto, constata-se que as funcionalidades do reservatório culminam na efetivação de convivência com o semiárido, uma vez que se percebe múltiplas finalidades envoltas do mesmo. Desse modo, necessitando observância sobre a gestão dos recursos naturais envolvidos, principalmente, água e solo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diêgo Souza Albuquerque, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Graduado em Geografia. Discente do Mestrado Acadêmico em Planejamento e Dinâmicas Territoriais do Semiárido (PLANDITES) da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN/CAPF. Membro do Grupo de Estudos Análise Geoambiental e Estudos Integrados da Paisagem (GEAGEIP) e do Núcleo de Estudos Geoambientais e Cartográficos (NEGECART).

Anny Catarina Nobre de Souza, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Estudante do curso de Geografia da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Campus Avançado de Pau dos Ferros (CAPF). Membra do Grupo de Estudos Análise Geoambiental e Estudos Integrados da Paisagem (GEAGEIP) e do Núcleo de Estudos Geoambientais e Cartográficos (NEGECART)

Sérgio Domiciano Gomes de Souza, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Estudante do curso de licenciatura em Geografia da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Campus Avançado de Pau dos Ferros (CAPF). Membro do Grupo de Estudos Análise Geoambiental e Estudos Integrados da Paisagem (GEAGEIP) e do Núcleo de Estudos Geoambientais e Cartográficos (NEGECART)

Maria Losângela Martins de Sousa, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Doutora em Geografia. Professora do Departamento de Geografia da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN/CAPF e do Mestrado Acadêmico em Planejamento e Dinâmicas Territoriais do Semiárido (PLANDITES). Coordenadora do Grupo de Estudos Análise Geoambiental e Estudos Integrados da Paisagem (GEAGEIP) e pesquisadora do Núcleo de Estudos Geoambientais e Cartográficos (NEGECART)

Referências

BRASIL. Lei nº 12.651 de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nºs 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nºs 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Brasília, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651.htm. Acesso em: 12 de mar. 2020.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico de 2010. IBGE Cidades. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/. Acesso em: 7 de nov. 2020.

CAMPOS, J. N. B. Secas e políticas públicas no semiárido: ideias, pensadores e períodos. Estudos Avançados, São Paulo, v. 28, n. 82, out./dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v28n82/05.pdf. Acesso em: 2 mar. 2020.

CIRILO, J. A. Políticas públicas de recursos hídricos para o semi-árido. Estudos Avançados, São Paulo, v. 22, n. 63, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v22n63/v22n63a05.pdf. Acesso em: 3 mar. 2020.

CPRM. Serviço Geológico do Brasil. Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea. Diagnóstico do município de Encanto, estado do Rio Grande do Norte. Recife: CPRM/PRODEEM, 2005.

DNOCS. Departamento Nacional de Obras Contra as Secas. História: Dentre os órgãos regionais, o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - DNOCS se constitui na mais antiga instituição federal com atuação no Nordeste. 2016. Disponível em: https://www2.dnocs.gov.br/historia. Acesso em: 5 mar. 2020.

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN). Abastecimento do RN 2018. Disponível em: http://www.adcon.rn.gov.br/ACERVO/caern/DOC/DOC000000000176563.PDF Acesso em: 14 de jan. 2020.

______. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN). Média pluviométrica do município de Encanto. Disponível em: http://www.emparn.rn.gov.br/. Acesso em: 07 de nov. 2019.

______. Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (SEMARH). Dados dos reservatórios monitorados no estado. Disponível em: http://www.semarh.rn.gov.br/. Acesso em: 12 mar. 2020.

GUEDES, J. A.; COSTA, F. R. Qualidade ambiental de dois reservatórios públicos na região do Alto Oeste Potiguar (RN/Brasil). Revista GeoInterações, Assú, v. 1, n. 1, p. 03-16, jan./jun. 2017. Disponível em: http://periodicos.uern.br/index.php/geointeracoes/article/view/2177. Acesso em: 12 mar. 2020.

MOLLE, F. Marcos históricos e reflexões sobre a açudagem e seu aproveitamento. Recife: SUDENE–DPG, 1994.

PEREIRA NETO, M. C. Perspectivas da açudagem no semiárido brasileiro e suas implicações na região do Seridó potiguar. Revista Sociedade e Natureza, Uberlândia, v. 29, n. 2, p. 285-294, 2017. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/sociedadenatureza/article/view/29057. Acesso em: 03 mar. 2020.

RÊGO, F. L. M. Avaliação dos impactos ambientais no reservatório Encanto RN. 2016. 42 f. Monografia (Graduação) – Curso de Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016. Disponível em: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/3373. Acesso em: 12 mar. 2020.

SOUSA, M. L. M.; OLIVEIRA, V. P. V. Política de combate à seca e estratégias de convivência com o semiárido: o contexto do estado do Ceará. In: SEABRA, Giovanni; MENDONÇA, Ivo (org.). Educação ambiental: Responsabilidade para a conservação da sociobiodiversidade. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2011, p. 709-715.

TELLES, D. D’A.; GÓIS, J. S. Usos da água e suas características. In: TELLES, D. D’A. (Org.). Ciclo ambiental da água: da chuva à gestão. São Paulo: Edgard Blucher, 2013, p. 178-216.

Downloads

Publicado

2022-12-27

Como Citar

Souza Albuquerque, D., Nobre de Souza, A. C. ., Gomes de Souza, S. D. ., & Martins de Sousa, M. L. . (2022). A AÇUDAGEM E SUAS IMPLICAÇÕES NA CONVIVÊNCIA COM O SEMIÁRIDO BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DO AÇUDE PÚBLICO ENCANTO, RN, BRASIL. Revista Homem, Espaço E Tempo, 15(2), 7–25. Recuperado de //rhet.uvanet.br/index.php/rhet/article/view/369