MÚLTIPLAS ABORDAGENS DA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL EM SOLOS: A ELABORAÇÃO DE VÍDEOS DOCUMENTÁRIOS

  • Camila Al Zaher, Estevão Gomes Junior

Resumo

O projeto de extensão universitária COLÓIDE volta-se à educação em solos como uma dasvertentes da educação ambiental. Em atividade desde o ano de 2007, já atendeu mais de 3.000 pessoas,tanto na educação formal quanto na não formal. Com o objetivo de se trabalhar os princípios daeducação em solos e registrar essas experiências na forma de vídeos documentários, foram realizadasatividades com 35 pessoas da terceira idade do Projeto Saúde de Ouro, mantido pela Prefeitura deOurinhos/SP e 6 famílias do Assentamento Rural Nova Esperança, município de Euclides da CunhaPaulista/SP. O resultado foi a produção de dois documentários: “T(t)erra pra quê te quero!?” e“Percepções e Vivências: A(s) Terra(s)”, respectivamente. A filmagem foi feita com uma câmera SonyHDR-SR10 Digital e o vídeo produzido, editado no Windows Movie Maker. As atividadespropiciaram a educação ambiental tendo o recurso solo como eixo norteador. Instigou-se o exercícioda cidadania, a visão crítica da realidade e a necessidade da conservação do ambiente, articulando osconteúdos referentes ao solo juntamente com a problemática ambiental das áreas visitadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBOSA, J. L. A arte de representar como reconhecimento do mundo: o espaço geográfico,

o cinema e o imaginário e o social. In: GEOgraphia. Rio de Janeiro, ano 2, n.3, 2000, p. 69 -

Disponível em: Acesso em 01

fev. 2012.

BIANCONI, M. L.; CARUSO, F. Educação não-formal. Cienc. Cult. São Paulo, v. 57, n. 4,

Dec. 2005. Disponível em:

<http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-

&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 27 fev. 2012.BERGAMASCO, S. M. P. P. A realidade dos assentamentos rurais por detrás dos números.

Estud. av. [on line]. 1997, vol.11, n.31, pp. 37-49 . Disponível em:

<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-

&lng=en&nrm=iso>. ISSN 0103-4014. Acesso em: 15 fev. 2012.

BERTONI, J.; LOMBARDI NETO, F. Conservação do solo. 5a ed. São Paulo: Ícone, 2005.

BOSI, E. Memória e sociedade: lembrança dos velhos. 3a ed. São Paulo: Companhia das

Letras, 1994.

BRASIL. Política Nacional do Idoso. 1994. Disponível em:

<http://www.pge.sp.gov.br/centrodeestudos/bibliotecavirtual/dh/volume%20i/idosolei8842.ht

m.>. Acesso em: 26 jan. 2012.

________. Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental.

Disponível em:<http://www.presidencia.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9795.htm>. Acesso em: 30

jan. 2012.

BRASIL. Medida Provisória no 2.228-1, de 06 de setembro de 2001. Disponível em:

. Acesso em 14 fev. 2012.

CAMPOS, R. R. Cinema, Geografia e Sala de Aula. Estudos Geográficos, Rio Claro, 4(1): 1-

, Junho, 2006, p. 1 - 22. Disponível em:

Acesso em 25 jan. 2012.

CIRINO, F. O. et al. Capacitação de professores da educação básica em solos: resultados

preliminares de uma avaliação participativa. In: ENSINO DE SOLOS. IV SIMPÓSIO

BRASILEIRO. 4., 2008. Piracicaba. Anais...Piracicaba: ESALQ/USP, 2008. Caderno de

resumos.

CZAPSKI, S.A. Implantação da Educação Ambiental no Brasil. Brasília, Ministério da

Educação do Desporto, 1998.

DALMOLIN, R.S.D.; CATEN, A. Uso da Cobertura dos Biomas Brasileiros e o Impacto

Sobre a Qualidade do solo. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA

APLICADA. 14.2011, Dourados - MS. Anais... Dourados: Departamento de Geografia. 2011.

CD-ROM.

DEL RIO, V. Cidade da mente, cidade real: percepção e revitalização da área portuária do RJ.

In: DEL RIO, V.; OLIVEIRA, L. Percepção ambiental: a experiência brasileira. São Paulo:

Nobel, 1996.

DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. 9 ed. São Paulo: GAIA, 2004.

DEMARCHI, J. C. Análise das propriedades físicas e químicas dos horizontes

superficiais dos solos da microbacia do Ribeirão São Domingos, município de Santa

Cruz do Rio Pardo-SP, em diferentes tipos de uso e ocupação. Trabalho de Conclusão de

Curso (Bacharelado – Geografia). Ourinhos, 2009.

FARIAS, E. F. A produção audiovisual no atlas municipal escolar de Ourinhos-SP com

contribuição para o estudo do lugar. Unesp: Ourinhos, 2011. Relatório Parcial FAPESP.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Sistema brasileiro de

classificação de solos. Rio de Janeiro: EMBRAPA, 1999.

GARCIA, V. A. O Papel do Social e da Educação não-formal nas discussões e ações

educacionais. S/A. Disponível em: <http://www.am.unisal.br/pos/Stricto-

Educacao/pdf/mesa_8_texto_valeria.pdf >. Acesso em: 18 fev. 2012.GOHN, M. G. Educação não-formal e cultura política: impactos sobre o associativismo do

terceiro setor. São Paulo: Cortez, 1999.

GOHN, M.G. Educação Não-Formal e o Papel do Educador (a) Social. In: Meta: Avaliação,

América do Norte, 2009. Disponível em:

<http://metaavaliacao.cesgranrio.org.br/index.php/metaavaliacao/article/view/1/5>. Acesso

em 18 fev. 2012.

HESPANHOL, A. N. Agricultura, desenvolvimento e sustentabilidade. In: MARAFON, G. J.;

RUA, J.; RIBEIRO, M. A. Abordagens teórico metodológicas em geografia agrária. Rio

de Janeiro: EdUERJ, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estimativas de

população.2001 Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao>.

Acesso em: 22 jun. 2010.

_________. Estimativa da população – São Paulo. 2000. Disponível em:

<http://www.ibge.gov.br/estadosat/temas.php?sigla=sp&tema=amostra>. Acesso em: 25 jan.

_________. Estimativa da população - Ourinhos. 2000. Disponível em:

<http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1>. Acesso em: 25 de jul. 2010.

MACHADO, A. M. B. Educação Ambiental para desenvolvimento sustentável em

assentamentos rurais: contribuições de um estudo de representações sociais. In: Cadernos de

Ciência & Tecnologia, Brasília, v.15, n.1, p.125-136, jan./abr. 1998, p. 125-136.

NICHOLS, B. Introdução ao documentário. 3a ed. Campinas, SP: Papirus, 2008. Disponível

em: <http://books.google.com.br/books?hl=pt-

BR&lr=&id=cbXPfI5YGm0C&oi=fnd&pg=PA7 &dq

=video+documentario+conceito&ots=b1agvyZ3w9&sig=iHDbd1nnTLHpCSkkfpkRyg9GReI

#v=onepage&q&f=false>. Acesso em: 07 fev. 2012.

TRAVALINI, V. ; OLIVEIRA, B. C. A linguagem cartográfica como emancipação social: o

ensino de Geografia em assentamentos rurais do Movimento dos Trabalhadores Rurais

Sem Terra (MST). S/A. Disponível em:

. Acesso em: 13 de

fevereiro de 2012

PASCHOAL, S. B. N. O ser e o tempo do audiovisual: diálogos entre território e cultura. In:

Anais...São Paulo : I Jornada Discente do PPGMPA – USP, 2010. Disponível

em:<http://www.pos.eca.usp.br/sites/default/files/File/ppgMPA/i_jor_discente_2010/MT05_S

oniaPaschoal.pdf>. Acesso em: 14 fev. 2012.

SOUZA, M. A. Educação do campo: propostas e práticas pedagógicas do MST. Petrópolis:

Vozes, 2006.

ZADONADE, V.; FAGUNDES, M. C. J. O vídeo documentário como instrumento de

mobilização social. 2003. Disponível em: <http://www.bocc.ubi.pt/pag/zandonade-vanessa-

video-documentario.pdf >. Acesso em: 29 jan. 2012.

Como Citar
Estevão Gomes Junior, C. A. Z. (1). MÚLTIPLAS ABORDAGENS DA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL EM SOLOS: A ELABORAÇÃO DE VÍDEOS DOCUMENTÁRIOS. Revista Homem, Espaço E Tempo, 6(2). Recuperado de //rhet.uvanet.br/index.php/rhet/article/view/123
Seção
ARTIGOS