EDUCAÇÃO AMBIENTAL INCLUSIVA: A EDUCAÇÃO NÃO FORMAL EM SOLOS COM GRUPOS DA TERCEIRA IDADE DO MUNICÍPIO DE OURINHOS-SP

  • Angélica Scheffer da Motta Abrantes, Estevão Conceição Gomes Junior

Resumo

O presente trabalho consiste em um relato de experiências vivenciadas com dois grupos deterceira idade no município de Ourinhos/SP no âmbito da educação ambiental inclusiva, cujo eixo norteadorversa na educação em solos, sendo esta uma das vertentes trabalhadas dentro do projeto de extensãouniversitária COLÓIDE. As atividades tiveram por objetivo aproximar a Universidade com este grupo,pouco assistido pela sociedade e proporcionar uma troca de experiências, salientando importância do usoadequado do recurso natural solo. Portanto, a experiência a ser relatada abordará uma seqüência deatividades, passando pela teoria, trabalhos de campo e oficinas de tinta de solo e bonsai. Resulta assim, emuma troca de experiências entre academia e o conhecimento acumulado por toda uma vida.

Referências

ABRANTES, A. S. M.; PERUSI, M. C.; COSTA, R. C.; ZAHER, C. A.; PEREIRA, A. N.;

MORENO, L. T.; SOUZA, B. A. N.; PRADO, C. M. A importância do trabalho de campo no ensino não-formal com um grupo da terceira idade de Ouurinhos/SP: educação ambiental

tendo como eixo principal o recurso natural solo. IN: II Encontro dos Núcleos e Ensino da UNESP

e I Encontro PIBID. Anais.. Águas de Lindóia: PROGRAD-UNESP, 2010.

BIANCONI, M. L; CARUSO, F. Educação não-formal: apresentação. Ciência e Cultura,

Campinas, v. 57, n. 4, p. 20, 2005.

BRASIL. Política Nacional do Idoso. 1994. Disponível em:

http://www.pge.sp.gov.br/centrodeestudos/bibliotecavirtual/dh/volume%20i/idosolei8842.htm.

Acesso em: 08 de outubro de 2010.

______. Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental. Disponível em:

http://www.presidencia.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9795.htm. Acesso em: 08 de outubro de 2010.

______. Estatuto do Idoso. 2003. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/2003/L10.741.htm. Acesso em: 08 de outubro de 2010.

______. Lei no 4771, de 15 de setembro de 1965. Dispõe sobre o Código Florestal. Disponível em:

<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4771.htm>. Acesso em: 28 de fevereiro de 2012.

CANEIRO, R. S.; FALCONE, E. M. O. Um estudo das capacidades e deficiências em habilidades

sociais na terceira idade. IN: Psicologia em Estudo. Maringá, v. 9, n. 1, p. 119-126, 2004.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Sistema brasileiro de

classificação de solos. 2. ed. Rio de Janeiro: EMBRAPA, 2006.

___________________________________________________. Mapa Pedológico do Estado de

São Paulo – 1:500.000, Mapa e Legenda Explicativa. Campinas: EMBRAPA, 1999.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. SIDRA - Censo demográfico.

Disponível em:

<http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/protabl.asp?c=2093&z=cd&o=14&i=P> Acesso em: 20

de fevereiro de 2012.

INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. Mapa

Geológico do Estado de São Paulo - 1:500.000. São Paulo: IPT, 1981.

GADOTTI, M. Perspectivas atuais da educação. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v.14, n. 2,

p. 3-11, 2000.

KAISER, B. O geógrafo e a pesquisa de campo. In. Boletim Paulista de Geografia, n. 84, p. 93-

, São Paulo: AGB, jul. 2006.

MARCOS, V. Trabalho de Campo em Geografia: reflexões sobre uma experiência de pesquisa

participante. In. Boletim Paulista de Geografia, n. 84, p. 105-136, São Paulo: AGB, jul. 2006.MILLER, M. O mundo do Bonsai. São Paulo: On Line Editora, 1997.

MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena História Crítica. 19 ed. São Paulo: Annablume, 2003.

MUGGLER, C. C.; PINTO SOBRINHO, F. A.; MACHADO, V. A. Educação em solos: princípios,

teoria e métodos. Revista Brasileira de Ciência do Solo. v. 30, n. 4. Viçosa. jul-ago. 2006.

Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-

&script=sci_arttext>. Acesso em: 10 maio 2011.

NERI, A.L. (1997). Qualidade de vida na velhice. IN. DELITTI, M. (org.), Sobre comportamento

e cognição: a prática da análise do comportamento e da terapia cognitivocomportamental.

Campinas: Arbytes, 1997, p. 34-40.

PERUSI, M. C.; SENA, C. C. R. G. Educação em solos, educação ambiental inclusiva e

formação continuada de professores: múltiplos aspectos do saber geográfico. XIV Simpósio

Brasileiro de Geografia Física Aplicada. Mesa de debate. Dourados/MS. 2011.

PROJETO SAÚDE DE OURO. Disponível em: <http://projetosaudedeouro.blogspot.com>. Acesso

em: 07 de outubro de 2010.

SASSAKI, Romeu Kazume. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro:

WVA, 1997.

SILVA, K. N.; ALVES, L. A.; LOPES, M. L. A importância de se praticar o trabalho de campo na

Ciência Geográfica. IN. Revista A MARgem – Estudos. Uberlândia, ano 1, n. 1, p. 10-9, jan./jun.

SILVESTRE, D. O.; LIMA, I. M. C. F.; MOREIRA, F. A. R. O trabalho de campo como prática

pedagógica no ensino da Geografia. Universidade Federal da Paraiba. 2009. Disponível em:

www.prac.ufpb.br/anais/.../trabalhos/.../4CCENDPGPRODOC01.doc>. Acesso em: 02 de fevereiro

de 2012.

TEIXEIRA, J. NUNES, L. Avaliação Inclusiva: a diversidade reconhecida e valorizada. Rio de

Janeiro: Wak, 2010.

TOMITA, L. M. S. Trabalho de campo como instrumento de ensino em Geografia. Geografia.

Londrina-PR, v. 8, n. 1, p. 13-15, jan. / jun. 1999.

Como Citar
Estevão Conceição Gomes Junior, A. S. da M. A. (1). EDUCAÇÃO AMBIENTAL INCLUSIVA: A EDUCAÇÃO NÃO FORMAL EM SOLOS COM GRUPOS DA TERCEIRA IDADE DO MUNICÍPIO DE OURINHOS-SP. Revista Homem, Espaço E Tempo, 6(2). Recuperado de //rhet.uvanet.br/index.php/rhet/article/view/120
Seção
Artigos