TERMOS ÍNDIO E CABÔCO E A IDENTIDADE NO CONTEXTO ACARAUENSE

  • Brisa Pires Moura Universidade Federal do Ceará

Resumo

Acaraú, município localizado a 234km da capital do Estado do Ceará, Fortaleza, tem em seus limites duas comunidades indígenas que buscam reconhecimento de suas terras perante ao Estado e mais uma na cidade vizinha, Itarema, todas se identificam pertencentes a etnia Tremembé. É importante ser mencionado que eu sou natural da cidade e desenvolvi minha monografia (MOURA, 2017) analisando as questões que estão ligadas a ancestralidade indígena em pessoas que reconhecem como de origem indígena, mas não estão inseridas dentro de espaços de luta pela terra ou a comunidades que se reconhecem como indigenas e por tanto em muitos momentos desenvolvem uma compreensão diferente dessa ancestralidade e de como compreendem as temáticas voltadas a indianidade. Neste artigo, vamos abordar, sobre o quanto na maioria das vezes os aspectos voltados a esse passado e a essas memórias parecem ser percebidos de maneira negativa ou dolorosa pela grande maioria dos interlocutores da pesquisa e o quanto isso se difere dos locais que buscam reconhecimento político, onde essa ancestralidade é exaltada. Como orientação metodológica farei uso principalmente de fontes históricas e conversas formais e informais com meus interlocutores, onde a maioria dessas conversas foi realizados no ano de 2017, como já foi mencionado, no decorrer da produção de minha monografia de graduação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

REFERÊNCIAS

ALEGRE, Maria Sylvia Porto. Cultura e história: sobre o desaparecimento dos povos indígenas. Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 23/24, n.1/2, p. 213-225, 1992/1993.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte (MG): Letramento, 2018.

ARAÚJO, Nicodemos. O município de Acaraú. Gráfica do Jornal “O Acaraú”. Acaraú, 1940.

ARAÚJO, Maria Souza de. Contribuição indígena Tremembé no processo de formação socioespacial do Ceará. Dissertação apresentada ao Mestrado Acadêmico em Geografia da Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, 2015.

ARRUTI, José Maurício Andion. A árvore Pankararu: fluxos e metáforas da emergência étnica no sertão do São Francisco. In: OLIVEIRA, João Pacheco de. (org.). 2. ed. Rio de Janeiro: Contra Capa / LACED, 2004.

BARRETO FILHO, Henyo Trindade. Invenção ou renascimento? Gênese de uma sociedade indígena contemporânea no Nordeste. In: OLIVEIRA, João Pacheco de. (org.). 2. ed. Rio de Janeiro: Contra Capa / LACED, 2004.

BARTH, Fredrik. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Tradução de John Cunha Comerford. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2000.

BLOG OUTRAS COMIDAS. Chicharro no forno escalado. 2012. Disponível em: <https://outrascomidas.blogspot.com.br/2012/03/chicharro-no-forno-escalado.html>. Acesso: 07 dez. 2017.

MOURA, Brisa P. A parte com índio: Interpretações sobre a ascendência indígena em Acaraú. 2017. 70 f. (Monografia de Graduação). Graduação em Ciências Sociais - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2017.

SILVA, Isabelle Braz Peixoto da. Vilas de índios no Ceará grande: dinâmicas locais sob o diretório pombalino. Campinas-SP: Pontes Editores, 2005.

CALDEIRA, Tereza Pires do Rio. A presença do autor e a pós-modernidade em Antropologia. Revista Novos Estudos, n. 21, p. 133-157, jul. 1988.

CÂNDIDO, Antônio. Os parceiros do Rio Bonito: estudo de caso sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. 34. ed. São Paulo: Duas Cidades, 2001.

CAVIGNAC, Julie Antoinette. Desvendando o passado índio no Sertão: memórias de mulheres do Seridó sobre as cablocas-brabas. Revista vivência, CCHLA, v. 1, n. 28, p. 145-157, 2005.

CERQUEIRA, Adriana Borges. Narrativas tapuias como fonte histórica: identidades, discurso e memórias. 2008. I Seminário de Pesquisa da Pós-Graduação em História UFG. Disponível em: <http://www.cpgss.pucgoias.edu.br/ArquivosUpload/16/file/Anais_I_Seminario_de_Pesquisa_da_Pos-Graduacao_em_Historia_UFG-PUC_Goias/pdfs/01_AdriaCerqueira_NarrativasTapuiasComoFonte.pdf>. Acesso em: 14 dez. 2017.

COLONETTI, Magali. Daniel Munduruku: "indígena sim, índio não". Entrevista. Encontro de culturas tradicionais da chapada dos veadeiros. Alto Paraíso, 2013. Disponível em: <http://www.encontrodeculturas.com.br/2013/noticia/721/daniel-munduruku-indigena-sim-indio-nao?fb_comment_id=833886170020450_834296099979457#f2514f6461744b>. Acesso em: 24 nov. 2017.

CONNERTON, Paul. Como as sociedades recordam. Tradução de Manuela Rocha. 2. ed. Oeiras: Celta Editora, 1999.

CUNHA, Manoela Carneiro da. Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Ubu Editora, 2017.

FERNANDES, Janaína Ferreira. Do profano ao sagrado: um estudo de caso a partir dos discursos sobre o Torém entre os Tremembé de Almofala. Cadernos do LEME, Campina Grande, v. 5, n. 1, p. 107-125, jan./jun. 2013.

FERNANDES, Janaína Ferreira. Falar para sobreviver: o Torém e o processo de reelaboração étnica dos Tremembé de Almofala. Monografia apresentada à Universidade de Brasília (UnB), Brasília, 2013.

FREITAS, Thaynara Martins. Cultura e afirmação étnica: reflexões iniciais acerca do Museu Indígena Jenipapo-Kanindé (CE). Artigo apresentado na 29ª Reunião Brasileira de Antropologia/RBA. Natal, 2014.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. Rio de Janeiro: Maia & Schmidt, 1933.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. In: GEERTZ, Clifford. l. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Editora LTC, 1988.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Taxa de analfabetismo das pessoas de 15 anos ou mais de idade, por sexo: Brasil 2007/2015. Disponível em: <https://brasilemsintese.ibge.gov.br/educacao/taxa-de-analfabetismo-das-pessoas-de-15-anos-ou-mais.html>. Acesso em: 04 nov. 2017.

IPECE. Instituto de Pesquisa Estratégica e Econômica do Ceará (IPECE). Perfil básico municipal. Acaraú, 2011. Dísponível em: <http://www.ipece.ce.gov.br/perfil_basico_municipal/2011/Acarau.pdf>. Acesso em: 04 nov. 2017.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Tradução de Bernardo Leitão et al. 5. ed. Campinas-SP: Unicamp, 2003.

LIMA, Deborah de Magalhães. A construção histórica do termo caboclo: sobre estruturas e representações sociais no meio rural amazônico. Repositório UFPA. Disponível em: <http://periodicos.ufpa.br/index.php/ncn/article/view/107>. Acesso em: 17 out. 2017.

MAGALHÃES, Eloi dos Santos. Aldeia! Aldeia! A formação histórica do grupo indígena Pitaguary e o ritual do toré. Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, 2007.

MESSEDER, Marcos Luciano Lopes. Etnicidade e diálogo político: a emergência dos Tremembé. Dissertação de Mestrado em Sociologia de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 1995.

MONTENEGRO, João Alfredo. Historiografia do Instituto do Ceará. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2003.

MOONEN, Frans. Povos indígenas no Brasil. 2. ed. Disponível em: <http://dhnet.org.br/direitos/militantes/lucianomaia/moonen_povos_indigenas_br_2008.pdf>. Acesso em: 20 nov. 2017.

OLIVEIRA, João Pacheco de. (Org.). A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. 2. ed. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria / LACED, 2004.

______. O nascimento do Brasil e outros ensaios: “pacificação”, regime tutelar e formação e alteridades. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2016.

______. Os caxixós do capão do Zezinho: uma comunidade indígena distante das imagens da primitividade e índio genérico. In: Reconhecimento étnico em exame: dois estudos sobre os Caxixó. Rio de Janeiro: Contracapa Editora, 2003.

______. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. In: A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. 2. ed. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria / LACED, 2004.

______. As mortes indígenas na formação do Brasil: o indianismo, a formação da nacionalidade e seus esquecimentos. In: O nascimento o Brasil e outros ensaios: “Pacificação”, regime tutelar e formação e alteridades. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2016.

OLIVEIRA, João Pacheco de; SANTOS, Ana Flávia Moreira. Reconhecimento étnico em exame: dois estudos sobre os Caxixó. Rio de Janeiro: Contracapa Editora, 2003.

PEIRANO, Mariza. Etnografia não é método. Horiz. antropol., Porto Alegre, v. 20, n. 42, 2014.

PERES, Sidnei. Terras indígenas e ação indigenista no Nordeste (1910-1967). In: A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. 2. ed. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria / LACED, 2004.

PINHEIRO, Joceny de Deus. Iracema, a virgem dos lábios de mel: negação e afirmação da indianidade no Ceará contemponâneo. Gis – Gesto Imagem e Som, São Paulo, v. 1, n. 1, 2016.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-2012, 1992.

PORTO ALEGRE, Maria Silvia. Rompendo silêncio: por uma revisão do “desaparecimento” dos povos indígenas. Revista ethnos, v. 2, n. 2, jan./jun. 1998.

ROSA, Francis Mary Soares Correia da. A invenção do índio. Espaço Ameríndio, v. 9, n. 3, 2015. Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br/EspacoAmerindio/article/view/58523>. Acesso em: 17 out. 2017.

SAMPAIO, José de Augusto Laranjeiras. Etnicidade e organização social e política entre povos indígenas contemporâneos no nordeste do Brasil: o caso Kapinawá. Projeto de Pesquisa para Dissertação de Mestrado em Antropologia Social. IFCH – Unicamp, Campinas, 1986.

SANTOS, Ana Flávia Moreira. “A história tá é ali”: sítios arqueológicos e etnicidade. Laudo antropológico. In: Reconhecimento étnico em exame: dois estudos sobre os Caxixó. Rio de Janeiro: Contracapa Editora, 2003.

SILVA, Isabelle Braz Peixoto da. Vilas de índios no Ceará Grande: dinâmicas locais sobre o diretório pombalino. Tese de doutorado apresentada à Universidade de Brasília (UnB), Brasília, 2003.

URIARTE, Urpi Montoya. O que é fazer etnografia para os antropólogos. Ponto Urbe. 2012. Disponível em: <http://pontourbe.revues.org/300>. Acesso em: 30 set. 2016.

VALLE, Carlos G. O. Experiência e semântica entre os Tremembé do Ceará. In “A viagem da volta”, João Pacheco de Oliveira (org.). 2. ed. Contra Capa Livraria / LACED, 2004.

VIEGAS, Suzana de Matos. Índios que não querem ser índios: etnografia localizada e identidades multi-referenciais. Etnográfica, v. 2, n. 1, 1996.

XAVIER, Maico Oliveira. Cabôcullos são os brancos: dinâmicas das relações sócio-culturais dos índios do Termo da Vila Viçosa Real – Século XIX. Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, 2010.

WHYTE, Willian Foote. Sociedade de esquina: a estrutura social de uma área pobre e degradada. Rio de Janeiro: Jorge Zarhar, 2005.

Publicado
2021-08-13
Como Citar
Pires Moura, B. (2021). TERMOS ÍNDIO E CABÔCO E A IDENTIDADE NO CONTEXTO ACARAUENSE. Revista Homem, Espaço E Tempo, 15(1), 97-114. Recuperado de //rhet.uvanet.br/index.php/rhet/article/view/464